Voltar para Home/ Voltar para Página inicial/ Página Inicial Pular para o conteúdo

Logo: Sociedade Alemã de Amparo à Pesquisa (DFG) - Ir para a página inicial Deutsche Forschungsgemeinschaft

A DFG no 9o Encontro Anual da BRAGECRIM

(16/11/2017) Entre os dias 8 e 10 de novembro de 2017 foi realizado em Salvador o 9o Encontro Anual do programa de pesquisa teuto-brasileiro BRAGECRIM (Brazilian German Collaborative Research Initiative in Manufacturing Technology). Financiada pela DFG em parceria com a agência brasileira CAPES, o BRAGECRIM é uma das maiores iniciativas bilaterais de pesquisa, que, desde o início de 2009, reúne mais de 300 cientistas de diferentes universidades e institutos de pesquisa não-universitários de ambos os países.

O encontro deste ano, realizado na capital do estado da Bahia, foi sediado pelo SENAI Cimatec – uma instituição nova, mas que cresceu significantemente em seus apenas 15 anos de existência e tornou-se um dos mais renomados centros para estudos de engenharia das regiões Norte e Nordeste do Brasil. Lá se reuniram 35 pesquisadores alemães e brasileiros, dentre os quais alguns ajudaram a construir e têm acompanhado a rede desde o início, além de coordenadores de projetos, admitidos à rede como resultado da última chamada, em 2016.

Prof. Dr. Tilo Pfeifer (RWTH Aachen University), Ferdinand Hollmann (DFG Bonn) e Christiane Wolf (DFG Latin America Office)
Visualizar galeria de fotos

Prof. Dr. Tilo Pfeifer (RWTH Aachen University), Ferdinand Hollmann (DFG Bonn) e Christiane Wolf (DFG Latin America Office)

© DFG

Após a abertura pelo anfitrião, Prof. Dr. Herman Lepikson (SENAI Cimatec), e pelos coordenadores da rede BRAGECRIM, Prof. Dr. Carlos Eduardo Pereira (UFRGS) e Prof. Dr. Tilo Pfeifer (RWTH Aachen), Clarissa Soares, encarregada da Capes para cooperação com a Alemanha, Ferdinand Hollmann, diretor de programas de Engenharia de Produção da DFG, e Christiane Wolf, do Escritório da DFG para a América Latina, dirigiram-se brevemente ao público. Em seguida, houve uma roda de apresentações dos participantes, ocasião em que muitos expressaram seus agradecimentos à DFG e à CAPES pelo apoio que têm dado à iniciativa há quase dez anos. Segundo o coordenador brasileiro do programa, Carlos Eduardo Pereira, o BRAGECRIM é uma iniciativa extremamente importante para a cooperação teuto-brasileira no campo da engenharia e se consolidou também como uma sólida rede de contatos científicos.

No evento foram apresentados os atuais projetos bilaterais de pesquisa em diferentes subdisciplinas, respeitando a abordagem interdisciplinar da rede BRAGECRIM. Eles englobam tecnologia de transformação, digitalização na produção, tecnologias com micro-fresas, usinagem ou metrologia de produção, e representam as diferentes facetas da cadeia produtiva dentro da engenharia de produção. Também foram demonstrados os diferentes aspectos que constituem um projeto, tais como a composição dos grupos de projeto por alemães e brasileiros, a organização dos trabalhos bilaterais de pesquisa em pacotes, as atividades de intercâmbio entre a Alemanha e o Brasil, as cooperações industriais existentes e as publicações conjuntas. Após as apresentações, os grupos tiveram oportunidade de fazer perguntas, estimulando a troca entre os diferentes projetos – esta é a principal tarefa do encontro anual e um dos principais objetivos da iniciativa BRAGECRIM. Apresentações de pôsters e visitas às instalações do SENAI Cimatec enriqueceram a programação e criaram oportunidade para a troca de ideias e debates.

No segundo dia, o encontro contou com um painel organizado conjuntamente pela CAPES e pela DFG. Na primeira parte, Christiane Wolf moderou um debate com os participantes sobre o tema “Experiências de trabalho em uma rede de projetos bilaterais de pesquisa”. O objetivo era obter um feedback do ponto de vista dos pesquisadores a respeito do trabalho e da organização da rede, que já existe há quase dez anos. Dentre os aspectos discutidos estava a interconexão dos diferentes projetos e o papel dos coordenadores da rede. Um ponto crítico é o desequilíbrio entre as atividades de intercâmbio: Em quase todos os projetos, mais estudantes brasileiros vivenciam uma estadia na Alemanha do que alemães no Brasil. Segundo os participantes, seria necessário fazer um trabalho mais intensivo junto a estudantes de graduação e de mestrado para convencê-los e oferecer oportunidades de fomento mais atraentes no seu campo de atuação.

Na segunda parte do painel, Clarissa Soares apresentou a chamada pública preparada pela DFG e pela CAPES para início de 2018 para “Iniciativas DFG-CAPES para Pesquisas Colaborativas”. O objetivo da chamada pública é criar redes semelhantes em outras áreas, seguindo o modelo da iniciativa BRAGECRIM para engenharia de produção. Clarissa Soares também apresentou os princípios do novo programa de internacionalização para universidades brasileiras, que foi publicado no mesmo dia pela CAPES.

Fatos sobre o BRAGECRIM
O programa BRAGECRIM é uma das maiores iniciativas de pesquisa teuto-brasileira. Ele reúne mais de 300 pesquisadores de várias universidades e institutos de pesquisa não-universitários da Alemanha e do Brasil que investigam questões centrais de cadeias produtivo. Além de engenharia de produção, metrologia e logística, as pesquisas teuto-brasileiras também abrange a ciência de materiais.

As solicitações de fomento deverão ser submetidas pelos pesquisadores alemães e brasileiros à CAPES e à DFG, respectivamente, que as analisarão as propostas em conjunto. O programa está hoje em sua terceira e última fase de fomento. Todos os anos, os cientistas participantes se reúnem alternadamente no Brasil e na Alemanha para discutir o andamento de seus projetos. A CAPES e a DFG pretendem estender este formato de fomento elaborado em conjunto, em que projetos individuais são desenvolvidos dentro de uma rede, a outras áreas de especialidade.

Para obter mais informações a respeito da parceria de pesquisa e dos projetos fomentados, acesse: Externer Linkwww.bragecrim.rwth-aachen.de