Voltar para Home/ Voltar para Página inicial/ Página Inicial Pular para o conteúdo

Logo: Sociedade Alemã de Amparo à Pesquisa (DFG) - Ir para a página inicial Deutsche Forschungsgemeinschaft

Secretária-geral da DFG visita México

Em direção ao estreitamento das cooperações científicas entre México e Alemanha

(13/06/2017) Uma universidade com 340 mil estudantes e 40 mil funcionários, uma cooperação de longa data com a melhor instituição de ensino e pesquisa na área de ciências humanas e sociais, e a visita a uma das instituições científicas de excelência no México – estes foram alguns dos aspectos que surpreenderam a secretária-geral da DFG, Dorothee Dzwonnek, em sua viagem ao país. Acompanhada pela diretora de assuntos científicos da DFG, Dra. Annette Schmidtmann, ela pôde, ao longo de uma semana, conhecer melhor o cenário científico mexicano.

Reunião com o secretário-geral da UNAM, Leonardo Lomelí (da esq. à dir.): Javier Gutierrez, Frederico Christlieb, Christina Siebe, Carlos de la Hoz, Lomelí, Dorothee Dzwonnek, Annette Schmidtmann, Dietrich Halm e Kathrin Winkler
Visualizar galeria de fotos

Reunião com o secretário-geral da UNAM, Leonardo Lomelí (da esq. à dir.): Javier Gutierrez, Frederico Christlieb, Christina Siebe, Carlos de la Hoz, Lomelí, Dorothee Dzwonnek, Annette Schmidtmann, Dietrich Halm e Kathrin Winkler

© DFG

Uma visita a maior instituição de ensino superior da América Latina, a Universidade Autônoma do México (UNAM), marcou o início da extensa e diversificada programação da viagem. Na instituição foi realizada uma sessão plenária com a presença de aproximadamente 30 diretores dos cerca de 50 institutos da UNAM, que puderam se informar sobre a DFG, seus programas de fomento e as oportunidades de se estabelecer cooperações com cientistas na Alemanha. No diálogo com os pesquisadores da universidade, foi possível identificar as cooperações internacionais bilaterais já existentes, especialmente nos campos da oceanografia, ciências biológicas – com destaque para as pesquisas no campo de biodiversidade, física, direito e em diversas áreas das ciências humanas. Ambas instituições demonstraram grande interesse em dar um passo adiante e, por meio da realização de um futuro workshop com a participação de pesquisadores parceiros alemães e mexicanos, expandir tais cooperações em direção a futuros projetos de pesquisa bilaterais com fomento conjunto dos dois países.

Para se inteirarem sobre o andamento e as conquistas do Grupo Interdisciplinar de Doutorandos „Entre espacios“ – o primeiro estabelecido em cooperação com a América Latina – a delegação da DFG visitou também o Colegio de Mexico (COLMEX), uma importante instituição mexicana de ensino e pesquisa em humanidades, onde foi realizado um simpósio sobre o projeto. Financiado pela DFG em conjunto com a agência mexicana de fomento CONACYT (Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia), o projeto foi iniciado em 2009 e, ao longo dos anos, se desenvolveu em um caso de sucesso. No evento, a Dra. Marianne Braig, professora da Freie Universität Berlin (FU Berlin) e representante do lado alemão do grupo, e o Dr. Carlos Alba, professor do COLMEX e representante da parte mexicana, apresentaram a iniciativa e suas conquistas ao público.

Ao longo dos últimos oito anos de fomento, o programa formou mais de 80 doutorandos, 40 em cada país. Em seu discurso, Dzwonnek destacou o valor da abordagem interdisciplinar do programa, que reúne os campos de história, antropologia cultural, literatura, sociologia e ciências políticas e econômicas, contribuindo para o avanço das pesquisas na área de globalização. “Entre espacios evidencia também que os processos de globalização não geram apenas fluxos econômicos e financeiros, mas também um novo fluxo de conhecimento. É possível levar esta analogia um passo adiante e considerar que o próprio Grupo Interdisciplinar de Doutorandos está estabelecido entre diferentes espaços – entre a Europa e a América Latina. É fácil entender a definição do projeto, de que fronteiras podem se constituir menos como barreiras e sim mais como domínios de um intenso intercâmbio cultural”, declarou. Ao final do evento, a secretária-geral da DFG e a presidente do COLMEX, Profa. Dra. Silvia Giorguli, realizaram uma reunião, em que discutiram estratégias para aprofundar as relações entre as duas instituições.

Evento no COLMEX, onde foi apresentado o projeto "Entre espacios" (da esq. à dir.): Teresa Pérez, Julia Tagüeña, Arturo Borja, Dorothee Dzwonnek, Silvia Giorguli, Manuel Perló, Marianne Braig, Carlos Alba e Augustin Escobar
Visualizar galeria de fotos

Evento no COLMEX, onde foi apresentado o projeto "Entre espacios" (da esq. à dir.): Teresa Pérez, Julia Tagüeña, Arturo Borja, Dorothee Dzwonnek, Silvia Giorguli, Manuel Perló, Marianne Braig, Carlos Alba e Augustin Escobar

© CONACYT

Outro aspecto que impressionou Dzwonnek e Schmidtmann na visita ao México foi a excelente infraestrutura de pesquisa e a alta qualidade científica do Centro de Pesquisa e Estudos Avançados (CINVESTAV). Em um evento na instituição, elas puderam apresentar o cenário científico alemão e os mecanismos de fomento da DFG, especialmente os programas para jovens pesquisadores e as cooperações internacionais em nível de doutorado e pós-doutorado. No final do evento, doze pesquisadores da área de ciências exatas e biológicas apresentaram os campos em que possuem cooperações com parceiros alemães. Por meio da realização de futuros workshops científicos conjuntos, DFG e CINVESTAV almejam estreitar as cooperações científicas que tenham potencial para o desenvolvimento de futuros projetos bilaterais, que poderão ser financiados com base no acordo vigente estabelecido com o CONACYT.

Evento no CINVESTAV, em que foram apresentadas a instituição e as cooperações existentes com cientistas alemães
Visualizar galeria de fotos

Evento no CINVESTAV, em que foram apresentadas a instituição e as cooperações existentes com cientistas alemães

© CINVESTAV

Desde 1991 a DFG mantém a parceria com a agência de fomento mexicana, cujo acordo foi renovado em 2014. Em reunião, o diretor da agência mexicana, Enrique Cabrero, e Dwonnek destacaram a importância da parceria entre as duas organizações para a cooperação científica entre Alemanha e México e demonstraram interesse em aprofundar esta cooperação de longos anos. Temas da conversa foram o andamento da chamada conjunta para projetos em química, física, biologia, ciências da terra e ciências humanas e sociais, aberta no último ano, e também estratégias para a consolidação deste instrumento de cooperação nos próximos anos. Além disso, foram discutidas possibilidades para financiamento conjunto de programas coordenados de pesquisa no futuro.

Reunião com o presidente do CONACYT, Enrique Cabrero (da esq. à dir.): Christina Siebe, Lorena Archundia, Rodrigo Bueno, Julia Tagüeña, Cabrero, Dorothee Dzwonnek, Annette Schmidtmann, Kathrin Winkler, Arturo Borja, Dietrich Halm e Laura Redondo

Reunião com o presidente do CONACYT, Enrique Cabrero (da esq. à dir.): Christina Siebe, Lorena Archundia, Rodrigo Bueno, Julia Tagüeña, Cabrero, Dorothee Dzwonnek, Annette Schmidtmann, Kathrin Winkler, Arturo Borja, Dietrich Halm e Laura Redondo

© DFG

Encerrando a programação da viagem, Dzwonnek ainda visitou a península de Yucatán, onde realizou um tour arqueológico e paleontológico guiada pelo Dr. Wolfgang Stinnesbeck, professor da Universidade de Heidelberg. No passeio foram visitadas também a Playa del Carmen e o pequeno museu científico em Dos Ojos. O programa permitiu que a secretária-geral pudesse conhecer pessoalmente dois atuais projetos fomentados pela DFG, que pesquisam a megafauna no fim da era glacial e a relação pré-histórica das cavernas subaquáticas na península de Yucatán, respectivamente.

Apresentação científica de Eugenio Aceves no museu de paleontologia em Dos Ojos

Apresentação científica de Eugenio Aceves no museu de paleontologia em Dos Ojos

© DFG

Para Dzwonnek, a visita ao México e às diferentes instituições do país significam um grande avanço em direção ao estreitamento das cooperações científicas teuto-mexicanas: “Estamos falando sobre criar cooperações, fomentar, e explorar novos caminhos, para que pesquisadores dos dois lados do Atlântico possam compartilhar suas ideias e assim desenvolver juntos novos questionamentos científicos até então impensáveis”.